Tem dias em que você acorda, olha no espelho e se sente bem e feliz. Mas nem sempre é assim, e aí é necessário se enxergar melhor, lembrar sempre de suas qualidades e cuidar de si para melhorá-las. Esse é o autocuidado. Aquele banho gostoso, o cuidado com o cabelo e com a pele, a roupa bonita para vestir, etc. Mas o autocuidado vai além, saber mais sobre si mesmo é importante para cuidar de si mesmo. Conhecer os próprios limites, capacidades e necessidades é fundamental.

Já a autoestima não é construída só com o que pensamos sobre nós. Costumamos muito valorizar a opinião alheia. Um elogio ou uma crítica tem um efeito muito grande, para o bem ou para o mal, na maneira como nos enxergamos.

autoestima[1]

 

Esse é o erro. Não é legal se basear no que os outros dizem e usar isso como bússola para seu astral. Quem faz isso deixa de enxergar suas qualidades e passa a viver apenas em função de agradar ou não decepcionar os outros. Deixar de ser quem é para se moldar como alguém que a sociedade deseja que você seja é negar suas peculiaridades, sua possibilidade de ser único.

 

Claro que ser aceito pelo meio social é importante, afinal a rejeição também prejudica a autoestima. Para contrabalancear isso é importante entender que atender apenas à expectativa alheia atrapalha e frustra a construção de uma personalidade sólida e estável. Já quem faz o oposto, ou seja, não dá a mínima para o pensamento coletivo, fazendo apenas o que acha certo, tende a se isolar e até criar um comportamento psicótico.

 

Portanto, equilíbrio é a palavra-chave.